Quinta-feira, 18 de outubro de 2018   
 
 
 
 

28 de junho de 2016
Pesquisa revela dano à imagem da Samarco
Pesquisa anual mostra que, para os brasileiros, a mineradora é
a empresa que mais causa danos ambientais no Brasil

A maior tragédia ambiental de nossa história tem na mineradora
Samarco a principal responsável por reduzir ainda mais a credibilidade do setor privado.

(Fred Loureiro/ Secom ES/Fotos Pública)

por Reinaldo Canto

O desastre de Mariana, ocasionado pela mineradora Samarco, parece ter impactado o olhar dos brasileiros sobre a atuação do setor privado em relação à responsabilidade socioambiental. Essa é a impressão do relatório publicado anualmente pela Market Analysis, intitulado “Ranking de Sustentabilidade Empresarial - Melhores e piores empresas em responsabilidade socioambiental aos olhos dos brasileiros”.

A pesquisa realizou mais de 900 entrevistas em 11 das principais capitais brasileiras, entre elas, Rio, São Paulo e Brasília, entre janeiro e fevereiro deste ano, com pessoas com idades que variavam de 18 a 69 anos.

O que ficou bastante destacado no relatório deste ano foi uma visão mais negativa na atuação do setor privado em relação aos levantamentos em anos anteriores. Segundo a conclusão dos organizadores da pesquisa, a citação espontânea que identificava empresas com ações positivas e sustentáveis caiu pela metade.

Isso demonstra que desde o início dos levantamentos em 2000, os entrevistados confiavam mais na iniciativa privada para responder aos desafios da sustentabilidade.

Se a tendência de desconfiar das empresas já se consolidava, a maior tragédia ambiental de nossa história em Mariana tem na mineradora Samarco a principal responsável por reduzir ainda mais a credibilidade do setor privado.

Nesse caso, é interessante notar que a pesquisa constatou uma maciça rejeição a Samarco, mas poupou uma das suas principais acionistas, a empresa Vale (classificada em segundo lugar como uma das empresas mais responsáveis ambientalmente).

Trata-se de uma clara demonstração de que a maneira como a imprensa fez a cobertura da tragédia e até mesmo o modo como as pessoas absorviam as notícias pode ter contribuído para condenar uma (a Samarco) e a absolver ou pelo menos poupar a outra (a Vale).

Outro aspecto que pode entrar nessa conta é o trabalho histórico da marca Vale em divulgar suas iniciativas socioambientais, o que contribuiu para manter essa reputação de empresa “amiga da natureza”.

Para Fabián Echegaray, fundador e diretor-geral da Market Analysis, essa nova percepção da sociedade de mostrar maior desconfiança em relação ao setor empresarial baseia-se também em outros inúmeros fatos desabonadores que, ao longo dos anos chegaram ao conhecimento do público.

Entre eles, os escândalos envolvendo empresários e empresas; inúmeros casos de desrespeito aos direitos dos consumidores; situações de irresponsabilidades e crimes ambientais; infrações aos direitos legais de funcionários e trabalho escravo e mesmo as que fizeram referência a produtos alimentícios prejudiciais à saúde humana, entre outros.

“Essas visões se acumularam nos últimos anos erodiram a confiança nas empresas como agentes de mudança positiva”, afirma Fabián.

O diretor-geral da Market ainda ressalta que tem ocorrido uma mudança em outro sentido: “De fato o que notamos é um movimento para uma maior internalização ou autorresponsabilização individual por concretizar avanços sustentáveis, num plano mais cotidiano e palpável para as pessoas, e apostando menos na via do mercado”.

Esse “empoderamento” dos indivíduos quanto a sua responsabilidade socioambiental também não significa uma redução na cobrança ou expectativas por um comportamento mais responsável das empresas, “apenas que a visão benevolente do mundo empresarial como alavanca da sustentabilidade ficou prejudicada”, apontou Fabián.

Algo que ficou bem demonstrado pela evolução dessa pesquisa é a importância da mídia e de nós comunicadores, para exercermos com isenção, responsabilidade e profundidade nosso papel de fornecer à sociedade os elementos necessários para que ela possa se informar corretamente.

Dessa maneira, as pessoas serão capazes de refletir, emitir suas opiniões e dar a necessária e relevante contribuição para consolidar a nossa democracia e trilhar os caminhos de um mundo mais justo e sustentável.


  Arquivo
19/07/2018
Nossa vida não é feita de plástico: recuse canudos
16/07/2018
Gente que faz a sustentabilidade no dia a dia
12/06/2018
FICA 2018: Sons únicos do Passado e sua melancólica extinção
06/06/2018
Renováveis sim, Alternativos não!
18/05/2018
Novo milênio derruba alguns dos valores do século 20
17/04/2018
O assédio na América Latina e a reação das brasileiras
16/04/2018
Coordenadora do Limpa Brasil fala do problema gerado pelo lixo
13/04/2018
Biocicla mostra como ir do lixo ao luxo da transformação
22/03/2018
Rio Doce, um desastre anunciado e inovação na recuperação
08/03/2018
O mundo encantado dos youtubers
08/02/2018
Sinergias entre cidades e empresas apontam caminhos para o futuro
04/01/2018
Um ano realmente novo ou seguiremos na mesma batida da irracionalidade?
27/11/2017
Ação empresas contra o desmatamento é fator de proteção ao lucro
23/11/2017
Longevidade das empresas depende da transição à economia de baixo carbono
13/11/2017
Apesar dos pesares, energia limpa é um caminho sem volta
14/10/2017
O que Michel Temer e Donald Trump pensam sobre o meio ambiente?
03/07/2017
O que falta para o Brasil ser a maior potência em energia solar?
16/06/2017
Código Florestal completa cinco anos longe de atingir objetivos
13/06/2017
Energias renováveis avançam com novas opções
16/05/2017
Governo Temer quer destruir as conquistas ambientais
07/04/2017
Um legado verde para o cerrado goiano
13/03/2017
Febre amarela: a crueldade e a ignorância andam juntas
30/01/2017
Trump, na contramão do mundo
11/01/2017
Comunidade da Rocinha revê relação com resíduos
 

2011 ~ 2018 - EcoCanto21
Reinaldo Canto
Todos os direitos reservados - www.ecocanto21.com.br
14 usuários online

Desenvovido por Tecnologia